Confraria: os 5 mandamentos para organizar uma reunião entre cervejeiros

Se degustar uma boa cerveja já é sempre bom, apreciar entre amigos é melhor ainda. Organizar grupos de degustação serve não apenas para socializar e se divertir, mas também para compartilhar conhecimento cervejeiro. Geralmente as reuniões de confrarias são baseadas em algum tema que pode ser um estilo específico (degustação horizontal), uma categoria ou uma escola cervejeira. Dessa forma, cada participante compra uma ou mais cervejas com as características determinadas e todos degustam juntos, possibilitando que se conheça vários rótulos de uma vez.

Outra forma de estipular o que cada um deve levar é deixando o tema livre e definindo um preço médio para a cerveja. Por exemplo: alguns cervejeiros fazem encontros para degustação de rótulos exóticos e difíceis de ser encontrados. É comum também centralizar a escolha dos rótulos e a compra em um único membro do grupo, dividindo o valor total por todos os degustadores. Se você quer organizar uma confraria, confira os 5 mandamentos que o The Beer Planet listou para garantir o sucesso do seu evento: Uma confraria sem erros!

Confraria sem erros
Padronizar os copos é importante para que todos tenham a mesma experiência sensorial.

1 – Sirva a todos em copos iguais ou parecidos

Copos específicos para diferentes cervejas são criados para exaltar as notas sensoriais de cada estilo, proporcionando uma experiência perfeita. Recomendamos o uso para degustações individuais, e se você quiser, pode aprender mais sobre copos aqui. Mas para beber junto, podem ser usados copos coringas para todas as amostras, como ISO, pokal, taça de vinho, pint ou uma simples caldereta. O mais importante é que os copos de todos sejam iguais ou parecidos, porque já que o formato do copo influencia na nossa percepção sensorial, seus amigos podem ter experiências distintas ao degustar – o que não é desejável se o intuito for conversar sobre as cervejas.

2 – Tenha um serviço uniforme

Por esse mesmo motivo, é importante ter cuidado com a uniformidade ao servir. Alguns estilos são refermentados na garrafa, demandando um cuidado especial ao serem compartilhados. Para servir uma cerveja de trigo, principalmente a Weiss, o ideal é girar a garrafa antes mesmo de abrir, para que todos os copos recebam a levedura que fica depositada no fundo – enquanto no serviço individual, despejamos todo o conteúdo da garrafa no copo Weizen, girando só no final. Já no caso das belgas, que também são refermentadas, o fundo não deve ser servido, porque são estilos que devem apresentar aparência límpida. Se o fundo não for deixado na garrafa, a última pessoa a ser servida vai receber uma amostra bem diferente das outras – turva e com sabor mais intenso. Outro tipo que merece cuidado é a nitro, que deve ser compartilhada rapidamente, para que todos percebam a mesma ação do nitrogênio. Se demorar, as últimas não vão ter a mesma cremosidade.

Degustação e confraria sem erros
Resíduos gordurosos nas taças e copos podem comprometer o visual da cerveja.

3 – Cuidado com a limpeza dos copos

Quando o copo está com resíduos de sujeira, principalmente gordura, se formam bolhas ao servir a cerveja. A aparência lembra um refrigerante, já que por mais que a cerveja seja carbonatada, não é normal ficar com bolhas grudadas no copo. Isso geralmente acontece por usar a mesma esponja para lavar louças gordurosas e copos, então a dica é ter uma esponja para cada finalidade. Existe inclusive uma própria para isso, que é mais delicada e não arranha o vidro ou cristal. Recomendamos ainda o uso de detergente neutro, para não influenciar no aroma da cerveja. E o ideal é que a secagem seja ao natural, porque pano de prato costuma deixar fiapos.

4 – Temperatura de serviço

Tenha cuidado também para não gelar demais! Enquanto as cervejas mainstream são servidas estupidamente geladas, as artesanais devem ser apreciadas em temperaturas de 2 a 12 graus, dependendo do estilo. Quanto mais alcoólica e complexa for a cerveja, menos fria ela deve estar, para que as notas sensoriais sejam melhor percebidas.

5 – Se servir petiscos, harmonize

Quando uma cerveja não combina com a comida, parece que ambas são ruins. Já quando harmoniza, uma ressalta o sabor da outra, gerando um terceiro sabor ainda melhor do que da bebida e do prato separados. Por isso, é importante equilibrar a potência da comida com a intensidade da cerveja, e também buscar uma interação entre os sabores. Em regra geral, pratos leves pedem cervejas suaves, enquanto comidas robustas vão bem com estilos mais alcoólicos, amargos, carbonatados ou ácidos. Dá para harmonizar desde jantares até petiscos simples, como queijos e embutidos.

Agora que você já sabe as principais dicas para mandar bem na degustação entre amigos, é só convidar a galera para escolher as cervejas no The Beer Planet e agendar a próxima confraria!

http://blogthebeerplanet.com.br/lei-da-pureza-the-beer-planet-responde/

Aprenda a harmonizar cervejas para turbinar sua Páscoa

Existem excelentes rótulos de cervejas especiais que são ideais para acompanhar as guloseimas típicas da Páscoa, que sempre fazem parte do banquete que reúne a família no domingo da celebração, como o bacalhau, a Colomba Pascal e os tradicionais ovos de chocolate.

Para deixar a mesa ainda mais gostosa, nada como uma seleção de cervejas especiais que harmonizam perfeitamente com a data e com os pratos de Páscoa.

Além disso, as cervejas artesanais também são uma ótima opção de presente para substituir os previsíveis ovos de Páscoa, porque fogem do comum e surpreendem os adultos.

Quando o coelhinho da Páscoa chegar, certifique-se que ele tenha uma bela cerveja na cesta!

DICA DO SOMMELIER

Separamos cuidadosamente seis rótulos que harmonizam com as principais comidas típicas de Páscoa.

Confira e veja como sua Páscoa pode dar aquela turbinada!

cervejas-para-a-pascoa

CERVEJAS FEITAS COM CHOCOLATE – perfeitas para os chocólatras!

1) Old Tom Chocolate é uma cerveja desenvolvida especialmente pelo famoso chocolatier Simon Dunn. Proveniente da Inglaterra, a cerveja do estilo Mild tem cor avermelhada, pouca espuma e chocolate na receita. O sabor é perfeitamente equilibrado entre o frescor do lúpulo, o malte torrado e o dulçor do chocolate. Tem 6% de teor alcoólico.

2) A americana Rogue Mocha é uma cerveja do estilo Robust Porter com 6% de álcool. O amargor é bastante forte e a cor preta avermelhada. O sabor é tostado de café, adocicado, aveludado e com final seco. O rótulo foi criado especialmente para amantes de chocolate.

PARA HARMONIZAR COM O BACALHAU

3) A Colomba, da francesa Brasserie Pietra, é feita à base de trigo e contém em sua composição arbustos típicos da floresta dos Maquis, na região da Córsega, na França, como o medronheiro, murta e zimbro, além de outras espécies aromáticas que conferem à cerveja sabor e aroma inconfundíveis. O teor alcoólico é de 5%.

PARA HARMONIZAR COM A COLOMBA PASCAL

4) A belga Delirium Red é a mistura perfeita entre acidez e dulçor. A coloração é vermelha intensa e o aroma remete a frutas vermelhas e amêndoas. Também tem cereja outras frutas vermelhas na composição, mas o teor alcoólico sobe para 8,5%. Também harmoniza muito bem com bolo floresta negra e chocolate branco.

PARA HARMONIZAR COM CHOCOLATE

5) Produzida no estilo Russian Imperial Stout, a americana North Coast Old Rasputin é uma cerveja artesanal que conquista o paladar de todos que a experimentam. Tem sabor torrado com chocolate, café e final bastante amargo. Tem teor alcoólico de 9%.

6) Representando o Brasil, a Schorstein Imperial Stout é do mesmo estilo que a Rasputin. Tem amargor alto e 8% de teor alcoólico. É adocicada e encorpada com aromas torrados de chocolate, café e caramelo. A coloração é preta, turva e tem boa espuma.